Sábado no Alpha

Sábado, manhã, sol frio de inverno, um mergulho matinal nos mistérios do pensar poético, através de outros pensares, o de Octavio Paz e Vera Lins, com intervalo de exatos 50 anos. No 151 da Dr. Eduardo Monteiro, oito observadores (Tarso, o burgomestre, maquinador das provocações, Deise, Kleber, Jean, Possidonio, Edmundo, Valdecirio e eu ), os mais assíduos, desde que o Observatório do Poema foi criado, há mais de dois anos (totalizando até aqui 27 encontros mensais), falam, ouvem, discutem, tomam café, por mais de duas horas. Poesia, sociedade, Estado, ambiguidade do romance, tempos sombrios, o que faz da poesia ser (ou não) poesia. Unanimidades, dissonâncias, silêncios, interrogações. Octavio Paz dixet: “a arte para poucos quase sempre é a livre resposta de um grupo de artistas que, aberta ou sorrateiramente, se opõe a uma arte oficial ou à decomposição da linguagem social”. Haverá, entretanto, ainda no mundo uma arte oficial? (oficial por parte de quem? Do mercado, do Estado, da comunidade literária?). Qual a razão das sombras na poesia contemporânea? Aqui, a pólis é reconstituída, ou, ao menos, a sua idéia, a livre opinião sobre todos os assuntos. Só perguntas? Sim, algumas respostas eventuais, mas a certeza de nos colocarmos em crise, combustível para avançar.

Vado1

Sábado, tarde, o sol ainda brilha e ameniza a ressaca do pensar matinal. Eis que uma invasão de cor invade o Alpharrabio: carregado de potes e pincéis, o grafiteiro-escultor, artista plástico Vado do Cachimbo, não se faz de rogado e, sem aviso prévio, cumpre a promessa antiga de grafitar a entrada do Alpha. A tatuagem no corpo físico da casinha da Eduardo Monteiro vai tomando formas (chaves, letras, flores, livros, parafusos, roldanas – o ABC re-lido plasticamente) e pondo fim à modorra da tarde esvaziada. Ali ficará, marcando o espaço com a linguagem da cor e da forma, alimentando de beleza os olhares passantes e descuidados.
(dtv)

About Dalila

Dalila Teles Veras, escritora, proprietária da Alpharrabio Livraria e Editora
This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

4 Responses to Sábado no Alpha

  1. Edmundo says:

    Afinal, um ótimo sábado !

  2. uaaaauuuuuuuuuuuu
    me encontrei com as tintas e pinceis nas mãos ,passando pelo
    alpharrabio e ali fiquei noite a fora grafitando uauuuuuu
    que delicia, foi um encontro que deixou marcas multicoloridas
    nas paredes.

  3. Constança says:

    Estou a gostar de ver o ritmo do Alpha blogueiro:)

    abraços
    Constança

    http://constancalucas.blog.uol.com.br/

  4. Tarso says:

    Dalila,

    um poeminha de circunstância
    a propósito da conversa… Abraço,

    T.

    SAIBA
    para a Dalila

    ‹‹sem deixar que se derrame
    a flor que traz escondida›› (JCMN)

    (talvez a gente não aceite
    que as coisas fiquem inodoras
    esperando alguém que revele
    nelas
    a golpes de esferográfica
    o que a alma e os frascos
    escondem de alquimia, vazio
    e fórmulas insondáveis)

    o leitor, amiga, prefere o que é roubado
    ou a flor que brota naquilo
    que apodrece (e a poesia talvez sofra
    ao saber que à véspera da leitura
    é apenas – ou depende sempre
    de – mercadorias)

    talvez a gente não saiba
    se já havia ou se ainda há
    poesia nas coisas
    quando acordamos para ela
    (ou para elas) de nosso descuido
    habitual e fulminante (poesia,
    como o cheiro de morte
    que há no corpo ainda quente
    enquanto a vida escorre atrás da lâmina
    ou o perfume de algumas árvores
    que é mais forte quando sangram)

    talvez o poeta mexicano
    esteja certo e ela seja a morada do mito
    (e toda a gente insista em visitá-la
    na hora incerta e abrupta)

    Tarso de Melo
    [6.9.6]