Orquestra Sinfônica de Santo André pede socorro

Como sempre faço, desde que assisti, em 1988, junto a toda minha família, ao primeiro concerto da Orquestra Sinfônica de Santo André, dirigi-me, neste domingo, ao Teatro Municipal de Santo André para assistir a mais um concerto, com a certeza de um começo de semana desfrutado em alto nível de prazer estético.

Neste concerto de domingo 24 (o teatro lotado com uma platéia, educada e entusiasta, aplaudindo nos momentos certos, sem produzir ruídos de qualquer espécie) ficou patente o alto nível técnico da orquestra que executou a desafiadora Sagração da Primavera, de Stravinski (com uma introdução “didática” e bem humorada do maestro, como extra), bem como acompanhou de forma impecável os solistas franceses Julien Chauvin (violino) e Lise Berthaud (viola), que vieram graças ao apoio da Aliança Francesa e executaram lindamente a Sinfonia Concertante em Mi Bemol Maior, KV 364, para violino, viola e orquestra. O Concerto Nº 1 para Violão e Orquestra, de Radamés Gnatalli (1906-1988), com Fábio Zanon, deu o sabor brasileiro a este memorável concerto.

É importante ressaltar que essa platéia que demonstrou “educação para a música de concerto” acima da média, é fruto e mérito exatamente da Orquestra e, de modo especial, do seu maestro titular, que, graças à sua competência e didatismo, muito tem se esforçado, ao longo destes 18 anos de intenso trabalho, para a formação desse público que hoje lota o teatro em qualquer uma de suas apresentações, quer seja simplesmente com a orquestra ou, como nesta noite, com atrações internacionais.

Pouco antes do início, alguns músicos distribuíram o seguinte planfleto à plateia:

“Ao nosso prezado Público,
A Orquestra Sinfônica de Santo André, que é motivo de tanto orgulho e admiração de seu público, é também reconhecida no meio musical como uma das melhores orquestras sinfônicas profissionais do Brasil. Não obstante, seus músicos são até hoje remunerados como “estudantes bolsistas” pela prefeitura, desde sua criação, em 1988.
De início, ela foi criada como uma orquestra de estudantes adiantados, mas transformou-se em poucos anos numa orquestra de nível profissional. A partir de 1991, a prefeitura concedeu, na gestão do prefeito Celso Daniel, um aumento no valor de 35 das 100 bolsas então existentes, propondo igualar os valores, gradativamente, nos anos seguintes.
O fato é que isso acabou não acontecendo, apesar de todos os nossos apelos, em nenhuma das gestões posteriores! Os músicos continuam sendo remunerados como “bolsistas” e, pior, com valores absurdamente desiguais, embora exerçam funções equivalentes. Como consequência, nossa orquestra passa, neste momento, por uma enorme crise, pois estamos perdendo músicos excelentes para outras orquestras, que vão em busca de uma remuneração um pouco mais digna!
Diante dessa realidade, o poder público não pode se omitir e pretender manter uma orquestra sem arcar com o custo dos salários! Todos os nosso apelos e esforços no sentido de sensibilizar a prefeitura, através do diálogo e da argumentação, foram em vão. Pedimos o seu apoio para conseguirmos que a prefeitura saia da inércia e conceda, no mínimo, isonomia aos bolsistas!
O governo municipal, que tem uma orquestra sinfônica da qualidade da nossa, deixa de reconhecer seu valor e sua importância na vida cultural da cidade, remunerando-a tão indignamente!

Compare a diferença no valor das bolsas:
- 46 bolsistas recebem R$ 522,00 por mês!
- 32 bolsistas recebem Re 1.136,50 por mês!

Agora mostramos a remuneração dos músicos de outras orquestras brasileiras:
Orq. Sinfônica de São Bernardo: R$ 1.440,00
Orq. Experimental de Repertório: R$ 900,00
Banda Sinf. do Estado de São Paulo: R$ 1.970,00

Apóie a Orquestra Sinfônica de Santo Adré, ligando para o fone fácil 0800-191944 ou para os telefones da Ouvidoria do município: 4437-1150 ou 443-3292 e registrando a sua opinião.
A Orquestra também é sua! Contamos com o seu apoio e desde já agradecemos!
Associação dos músicos e equipe técnica da Orquestra Sinfônica de Santo André
músicos.ossa@ig.com.br – 9118-70008”

Esses problemas são largamente conhecidos do público, pois a imprensa os tem divulgado, inclusive através de uma longa entrevista com o maestro Flávio Florence publicada no Diário do Grande ABC na qual ele, de forma clara, colocava a situação de penúria em que vive a orquestra. Cabe a cada um de nós, munícipes que já se apropriaram desse inestimável patrimônio cultural, levar adiante essa luta justa dos músicos, adiante até que esses artistas tenham reconhecimento e remuneração condigna com suas atividades. (dtv)

About Dalila

Dalila Teles Veras, escritora, proprietária da Alpharrabio Livraria e Editora
This entry was posted in Lista de Links. Bookmark the permalink.

17 Responses to Orquestra Sinfônica de Santo André pede socorro

  1. Edmundo Epifanio says:

    ISSO é salário de músico ? Onde vai o imposto (sempre alto !) que contribuo como cidadão de Santo André ? Sinto-me ROUBADO !

  2. Maria Ane Dias says:

    Gente, que absurdo… os músicos tinham que ser mais valorizados. Requer muita dedicação estudar música…
    Prefeitura pelo amor de Deus, aumente estes salários!!!

  3. Suzana says:

    Ridículo….
    Por isso que música não dá dinheiro no Brasil…

  4. Rodrigo de Jesus says:

    Inacreditável!!!
    Nunca imaginei que recebiam tão pouco!
    Todos sabemos quão difícil é se tornar um concertista.
    Espero que a Prefeitura de Santo André reajuste bem estes valores.

  5. Marcos Silva says:

    O que esperar da política brasileira,esta situação é apenas mais um reflexo da sujeira administrativa de nosso país, tenho certeza que quando algum representante do governo da cidade de Santo André ousar falar da Orquestra falara de boca cheia do quanto se orgulha de tal patrimônio da cidade> Senhores tenham vergonha na cara se é que é possível pra vocês políticos(os honestos que se excluam dessa lista, se é que é possível também)façam algo pela cultura do Brasil,, seus filhos e netos agadecerão!

  6. Gabriel T says:

    Isso é um absurdo!!!!
    Mas acho que a orquestra está sendo “boa” de ainda estar fazendo concertos com esse salário……Só espero que o governo tome uma atitude antes que a orquestra resolva entrar em greve,pq quem irá perder naum é a orquestra e sim os cidadãos de Santo André.

  7. Danilo Franklin Souza says:

    Eis mais uma miserável injustiça na sociedade! Os artistas, no cumprimento de sua nobre função, não recebem uma remuneração digna; é simplesmente revoltante. Isto é um símbolo da ignorância do governo em relação aos intérpretes da boa música. Em minhas utopias ainda sonho com uma sociedade onde os artistas sejam valorizados. Espero que haja uma relevante melhoria no sistema cultural de nossa cidade, o que engloba também o salário dos músicos.

  8. VAGNER LIBORIO says:

    È UMA INJUSTIÇA ENORME TUDO OQUE ACONTECE NESTE PAÍS, MAS TENHO CERTEZA QUE ALGUÉM VAI MUDAR ISSO E ESSES MÚSICOS SERÃO MAIS VALORIZADOS, QUANTO À PERDA DE NOSSO MAESTRO QUERIDO, FLAVIO FLORENCE, É ALGO IRREPARÁVEL, ELE E SEU TRABALHO MONUMENTAL FICARÁ PARA SEMPRE EM NOSSOS CORAÇÕES. ” ADEUS MAESTRO QUERIDO “

  9. carlos moreno says:

    prezados musicos e funcionarios, buscando compreender a situação historica e administrativa desta orquestra, tenho lido varios documentos referentes ao trabalho tão bem realizado e sem a menor dúvida esta orquestra merece o apoio publico e precisa emergencialmente ter suas questões salariais ou bolsas, corrigido. Este é um projeto de orgulho para Santo André e certamente será encontrado uma solução.

  10. Serimar Jr says:

    Seria maravilhoso que nossos músicos tivessem além de incentivo, também o apoio do Departamento de Cultura e Lazer do nosso querido município, que não acredito estar omisso a uma situação como essa.
    Os responsáveis por esse departamento devem procurar uma solução para tal situação que se torna inaceitável e desrespeitosa para com nossos músicos iniciantes ou não e principalmente para seu público andreense ou demais que buscam entretenimento através da música.
    Investir em nossos músicos e com certeza investir em cidadania e no bem estar de nossa querida cidade e seus cidadões. Pensem nisso!!!

  11. Prezados srs da Orquestra Sinfônica de Santo André, sou bibliotecária do Conservatório Dramático e Musical “Dr., Carlos de Campos” de Tatuí, gostaría de saber se vocês tem a partitura “Danzon” de Arturo Marquez, é para Orquestra, se sim como poderei fazer para adquirir uma cópia?? Me coloco a disposição, dentro do possível.
    Telefone da Biblioteca: 0**15-3259-7314
    e-mail: biblioteca@conservatoriodetatui.org.br
    Antecipadamente agradeço e aguardo uma breve resposta de vossa parte,
    Maria do Carmo Nobile Orsi
    bibliotecária – CRB-8/2649

  12. Wilker Alves Santos says:

    Meu muita injustisa.
    se não tem salario bom os musicos não ficam motivados
    dai o Brasil não vai para frente com a musica, e ai a musica vai sumindo(Deus me livre disso), mais o governo tem que consientizar, e empregar um salaro melhor para esses otimos musicos.
    vamos fazer esse mundo mais musical e mais realizante.

  13. Víhnycius says:

    nossa que brexa hein só isso …
    mais eu sou musico, estudo na fundação das artes, e quero entrar na orquestra como que faz?!*
    mais esse salario hein?!”**
    meu orkut:vini_morenuh@hotmail.com
    que quizer entra la pra noíis konversaah blz
    e me mande a resposta de como faz pra entrar na orquestra viuu..
    bjos a todos…

  14. Ao Violoncelista o Alemão

    Fiquei muito, muito, muito feliz de vê-lo na apresentação no dia 15/nov2009 no teatro municipal de Santo André foi demais! Sou aquele ex – aux. de terminal verdinho( terminal são mateus/ socicam) que babava no ônibus e vc tirava um maior saro. As dificuldades são grandes sei pq faço canto no coral 4 cantos e um dia desses ñ pudemos ir ao encontro de corais em mogi pq a carroça da prefeitura de sbc quebrou! Mas continua tocando firme e passa o fio das próximas apresentações. A gente precisa se vê para comerar essa luta pela música! Um abração!

  15. Tiago H. Redivo says:

    Realmente na época em que esse conteúdo foi publicado esse salário era uma vergonha, mas não acreditando em papai Noel seria interessante saber quanto é o salário hoje (mais de 3 anos posteriores ao deste post), Na época em que esse conteúdo foi publicado o Maestro ainda era o Flávio Florence, e acredito que as coisas tenham melhorado um pouco para os músicos após o falecimento deste consagrado Maestro, já que foi necessário abrir um concurso para que este pudesse ser substituído por alguém com tanto peso quanto o mesmo em sua carreira.
    Mas concordo plenamente que ainda que a situação tenha melhorado um pouco para os músicos, o Brasil está ainda muito distante de ser um país que valoriza estes que encantam e enobrecem uma cultura tão bela.

  16. Anderson A. Bastos says:

    Alguém sabe, por acaso, o endereço eletronico da Sinfônica de Santo André? Ou o endereço do maestro responsável? Sou um compositor paulista, gênero sinfônico e gostaria de saber deles, se analisam partituras originais. Para os amantes da música erudita que desconheçem o fato, nenhuma orquestra do brasil divulga ou analisa obras de compositores nacionais, porisso os senhores só ouvirão os bach e os sohnn, enquanto compositores excelentes, que conheci, são desconhecidos totalmente, o que gera uma impressão de ausência de talento nesta terra. A jogada é ensaiada e desejam que os senhores só ouçam o que vem de fora, pois essas orquestras, criadas com nossos impostos, apenas pagam royalties para os editores estrangeiros.

    Agradeço quem puder conseguir o endereço eletronico.

  17. õdair de lima says:

    olha que salário vergonhoso hein