Pelo reino da palavra poética – Sábado I

observatorio29

Um sábado e tanto este, o do 11 do 11. Conversas, conversas, idéias, muitas idéias. Logo ao abrir, às 10h00 da madrugada, os observadores da poesia, sonolentos ainda, chegam e fartam-se de taças fumegantes e pães de queijo que Eliane, previdente e gentil, providenciou para que ali já estivessem à espera dos famintos de todas as fomes (físicas e intelectuais). Tarso, sempre pontual e disposto, portando aquela mochila enorme, de onde vai tirando, feito uma pandora da literatura, preciosidades bibliográficas, cadernetas de anotações e, possivelmente, ali ainda ficam outros objetos secretos que lhe servem nas viagens, uma vez que a dita cuja jamais fica vazia. Kleber e Jean, Valdecirio e Possidonio, Carlos e Edmundo, Deise e Dalila. E só, que de mais não se precisava para, em torno de signos em rotação e mitos dissolutos, dialogarem com Paz e Sterzi, que, num intervalo de 50 anos, também dialogam entre si, ajudando-nos a formular e semear mais e mais dúvidas, o arco e a lira permanentemente retesados. Depois de 29 encontros, 29 manhãs de confrontos, leituras e (des)leituras, ainda continuaremos a nos perguntar sobre o que faz da poesia ser poesia? Como ninguém é de ferro, encerramos os mergulhos pelo reino da palavra deste 2006, com um Porto de honra. Viva! (dtv)

About Dalila

Dalila Teles Veras, escritora, proprietária da Alpharrabio Livraria e Editora
This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Comments are closed.