5844 dias – 16 Anos – 21 de fevereiro

Alpharrabio começa a festa no dia 21 de fevereiro (quinta-feira) de 2008 às 18h30 com a exposição Poetas Portugueses e Brasileiros (16 Poetas + Pessoa + Drummond) desenhos de Constança Lucas

DesenhosContanca

“Com estes retratos revisitei alguns dos poetas cujos poemas me tocam profundamente. Tenho em mim a descoberta de cada um deles, pelas suas palavras, pelas vivências singulares na construção do meu mundo, pela partilha das contradições, pelos encontros e acordos entre as pequenas e grandes coisas do dia a dia. No entrar em mim mesma e perder-me infinitamente, no saber-me solitária e solidária. Da aproximação, da empatia poética nasceram estes desenhos.” Constança Lucas 2008

EM TEMPO: ouça na Jovem Pan

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

5 Responses to 5844 dias – 16 Anos – 21 de fevereiro

  1. isa says:

    Por curiosidade: Aquando da inauguração da Byblos – Amoreiras, Lisboa, a 13/12/2007, foi apresentado a obra “Artistas Retratam Escritores Que Retratam Artistas”, de Cruz Santos, criada em exclusivo para essa ocasião e contou com o prefácio do Prof. José Augusto França.

    Boas venturas à exposição, à artista, aos artistas do “Alphatemplo” e aos artistas visitantes (e já agora, à minha mãe que nesse dia, 21/02, soma mais um aninho).

  2. Constança says:

    “Dia de hoje

    Ó dia de hoje, ó dia de horas claras
    Florindo nas ondas, cantando nas florestas
    No teu ar brilham transparentes festas
    E o fantasma das maravilhas raras
    Visita, uma por uma, as tuas horas
    Em que há por vezes súbitas demoras
    Plenas como as pausas do verso.

    Ó dia de hoje, ó dia de horas leves
    Bailando na doçura
    E na amargura
    De serem perfeitas e de serem breves ”

    poema de Sophia de Melo Breyner Andresen

  3. Constança says:

    Isa
    obrigada pela sua missiva
    Não conheço esse artista Cruz Santos, nunca vi nada dele mas irei procurar.

    abraços

  4. isa says:

    E da noite, nasceu o dia
    Do sonho, urgiu a realidade

    “E o operário disse: Não!
    E o operário fez-se forte
    Na sua resolução” (V.M)

    Assim iniciou-se obra
    Assim nasceu o Alpha
    “Valeu a pena? Tudo vale a pena
    Se a alma não é pequena.” (F.P)

    Longa vida, vida longa à obra e aos obreiros

  5. Um quase inverno
    a Dalila Teles Veras

    captura
    papoulas
    poesia ardente
    a dançar um quase inverno

    palavra-paisagem
    madeira

    crava na fúria
    estradas e deuses
    aprisiona segredos-signos-símbolos
    e
    tormentas

    a palavra
    desperta
    a serpente urbe
    en
    cruz
    ilhada
    solo minado

    homens rabiscados
    formas
    e
    forças
    fragmentos

    janela dos dias

    lendo “à janela dos dias – poesia quase toda” – Dalila Teles Veras, Alpharrábio edições