Do arquivo

Retirado do meu baú de inéditos, um velho poema (é de 1994) apropriado ao atual momento, com a melancólica constatação de que nada mudou ou quando eventualmente mudou mudou para ficar igual.

Campanha Política

Doar olhando a quem
eis o lema
:
estender a direita
receber com a esquerda

Jogo de amarelinha
sem purgatório
(o poder é o limite)

Na ciranda hipócrita
bodes fantasmas
expiam a culpa

dalila teles veras

About Dalila

Dalila Teles Veras, escritora, proprietária da Alpharrabio Livraria e Editora
This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

One Response to Do arquivo

  1. rosana chrispim says:

    Gosto do gosto da crítica, da força que as palavras têm, da força que a palavra ganha trabalhada por você. Belo poema. Atualíssimo sempre. Se a política não muda, também “não muda nossa vontade”.