Omissão involuntária e desordem bibliográfica

Não poderia deixar de registrar a omissão, involuntariamente cometida no meu texto Cabo Verde é aqui, pulsa aqui, postado há dias neste blog. Ao citar as obras relativas a Cabo Verde constantes de meu acervo pessoal, deixei de mencionar justamente um importante livro que, naquele momento, me escapou à memória e às vistas: Sonha Mamana África, de Cremilda de Araújo Medina, publicada em 1987 pela Edições Epopeia, SP. O delito torna-se ainda mais grave, por tratar-se de um livro cuja capa e projeto gráfico é de Constança Lucas (em co-autoria com o fotógrafo e editor Rogério de Oliveira), artista portuguesa residente no Brasil, por quem mantenho profunda admiração e de quem tenho a honra de ser parceira em várias ocasiões, como no meu livro A Palavraparte (1996) e em Retratos Falhados (acabado de sair pela Coleção Ponte Velha, Editora Escrituras, SP – aguardem mais notícias). Sonha Mamana África reúne, pela primeira vez no Brasil, quarenta e um escritores africanos de língua portuguesa (de Moçambique, Angola, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau. Só de Cabo Verde comparecem 10 escritores).
Essa injustificável omissão, acredito, se deve justamente ao fato de que não mais tenho uma biblioteca, mas a biblioteca, que vem cescendo, crescendo ao longo dos anos, é que me tem. Sendo ela (a biblioteca) dona e senhora de mim (evocando outra poeta lusa) não possuo mais controle sobre essa entidade que passou a ocupar quase todas as paredes disponíveis de minha casa, inclusive escaninhos pouco recomendáveis para abrigar livros. Volta e meia, aquilo que acreditei organizado, e o que é mais grave, retido na memória, revela-se outra coisa, onde me perco, para minha completa danação. Felizmente, para minha salvação, acabo sempre por me achar e encontrar o que desejo e que não estava lá tão perdido assim.
Vale, portanto, ressaltar a importância não só desse trabalho, que fecha um meritório ciclo empreendido pela ilustre jornalista e professora Cremilda (que, registre-se, também nasceu em Portugal e, para nossa honra, já pronunciou palestra no Alpharrabio), composto por duas outras publicações: Viagem à Literatura Portuguesa Contemporânea, 1983, Editora Nórdica, RJ, e Escritor Brasileiro Hoje – A Posse da Terra, edição da Imprensa Nacional-Casa da Moeda, Lisboa, 1985.
Três obras relevantes que reúnem notas biobibliográficas, perfis e fragmentos de mais de uma centena de escritores de língua portuguesa de sete países e que muito contribuíram / contribuem não só para a história das nossas relações culturais, como também para o autoconhecimento da própria literatura lusófona. (dtv)

About Dalila

Dalila Teles Veras, escritora, proprietária da Alpharrabio Livraria e Editora
This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Comments are closed.