Moda, arte – o cotidiano e seus vestígios

Por ocasião do encerramento da Exposição Vestígios, no último dia 04 de junho, uma mesa de debates reunindo os três artistas Edilson Ferri, Thaís Graciotti e Marta Masiero, mais a curadora Agda Carvalho, abordou o instigante tema “A estampa e os vestígios cotidianos”. Momento rico em reflexões, que a mediadora, armada em repórter “ad hoc” tenta aqui registrar, tentativa de provocar novas reflexões.

Blog040611 15

Agda iniciou sua abordagem dizendo da reflexão prévia sobre um espaço que tivesse um significado para abrigar a exposição e que a escolha recaiu no Alpharrabio pelo fato de ser um local aglutinador de várias linguagem e de sentidos : “Trata-se de um projeto inicialmente ligado à moda, não uma fronteira, mas os encontros possíveis com a moda e a moda esbarra na questão da estampa. A mostra reflete como os artistas estão conectados com o cotidiano e esses trabalhos buscam o entendimento com os grupos visto que em tempo virtuais, apesar das redes sociais, estamos sós. A “materialidade” se dá hoje na arte e uma coisa interessante é que volta a discussão na arte.”

Blog040611 04

Sobre seu próprio trabalho, disse Edilson Ferri: “perceber o espaço físico e o universo virtual, buscando links de lugares que não estão ligados. Somos acometidos hoje de uma neurose de querer saber o que está acontecendo em todo mundo e não estar em lugar nenhum. Acredito que meu trabalho dá a oportunidade de vivenciar, abre uma conversa para o comportamento e o universo virtual e imediatista. Uma colagem digital – o real que vai para o virtual e que volta para o real, físico, ou seja, a materialidade que volta. Os trabalhos têm em comum fazer pensar o que nos rodeia. Se por um lado existe o registro imediato (a gente faz e daqui a pouco está no blog, a memória volátil, o guardar muita coisa sem o olhar seletivo), só mesmo quem esteve e vivenciou é que entende e, vivenciar hoje, é a grande dificuldade. Se não vivenciamos, não há registro e não conseguimos passar isso pra frente. Não se guarda a totalidade, apenas os vestígios. E quais são os vestígios? as imagens que ficam? Curadoria é também selecionar e interpretar. São preocupações que tenho.”

Blog040611 02

Marta trabalha com a questão da memória, objetos com história, como toalhas rendadas, que começou a explorar plasticamente e geraram reflexões (material frágil com carga forte) para uma construção da imagem da mulher hoje, delicada e ao mesmo tempo forte. Essa imagem tanto pode ir para um lado mais sensual quanto para o familiar, são os seus contrapontos. Trabalha com serigrafia e sobreposição de carimbos. Tentativa, segundo ela, “de união de fragmentos, presente, passado e porvir, construção do ser humano”.

Blog040611 09
Thaís, justifica a escolha da temática “Ilha” pelo fato de, ela própria, ser de uma ilha (Vitória, ES). Seu trabalho foi realizado numa comunidade na Ilha das Caeiras (ES).
“Não pensar o ilhéu como isolamento, mas com o sentido de abertura, multiplicidade da palavra, presença e vestígio, a palavra colada nas camisetas, nos corpos, a palavra para me inserir naquela paisagem, fazer parte, como ilha, naquela ilha.” Depois disso, começou a viajar para ilhas e, na impossibilidade de fazer com que as pessoas vestissem a camiseta com a palavra “ilha”, a palavra passou a ser colocada em todo lugar, “palavra como demarcador e resignificação de objetos, estética Ilha.”

Após a fala dos quatro convidados, ouve o debate com a platéia que acabou botando muita lenha na fogueira. Para se ter uma idéia do calor que ali foi gerado por tanta energia, algumas questões jogadas na arena:
- a questão da moda encarada pela Academia apenas como uma leitura semiótica, agora como vestimenta que interfere no comportamento;
- moda como atitude de contracultura que o Sistema incorporou;
- o monopólio da fala e da comunicação; o processo histórico;
- o que se entende como corpo; “secund life”?;
- o material teórico; diálogo com a poesia e a geografia;
- uma nova globalização; sociedade de gente que come demais;
- na prática a política é outra; as discussões do antigo CEPS, em Santo André, levaram pessoas à política, que hoje ocupam alto cargos governamentais, cultura política que a cultura da geração da imagem não consegue manter;
- sequer conseguimos registrar aquilo que fizemos no passado;

Ilhas entre livros, lugares impossíveis, mas muito prováveis, memórias rendadas, que ficarão… Desde ontem, as paredes são outras, outras são as memórias, igualmente dignas de visita e discussão.

E mais tempo houvesse, mais mundos discutiríamos… (dtv)

E.T.: como sempre, as fotos são de Luzia Maninha.

About Dalila

Dalila Teles Veras, escritora, proprietária da Alpharrabio Livraria e Editora
This entry was posted in Debates Culturais, Programação Alpharrabio. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>