Alpharrabio 20 anos – O Alpha pelos alphas IX

Adélia Nicolete

Bem, acho que sou uma alpha antes do Alpha existir. Ou desde quando ele existia apenas na ideia. Falo dos tempos do Livrespaço, quando participei de um concurso de poesias, ainda na adolescência. Eu não sabia que seria escrevinhadora – mas intuía. Os poetas do Livrespaço não sabiam que uma livraria haveria de nascer e virar um ponto de cultura na região – mas também intuíam.

Desde antes de virmos-a-ser, então, o Alpha tem sido para mim um espaço de inaugurações, inícios. É aqui que lanço meus livros e que tenho acompanhado prazerosamente lançamentos de amigos, leituras e encenações teatrais, filmes, exposições e música.

E, para completar a lista de intuições certeiras, foi por causa do Alpha que comecei a namorar com meu marido, em 1998. Bem, a história foi mais ou menos assim:

Ao longo do ciclo de leituras dramáticas que aconteciam na Escola Livre de Teatro, no Colégio Singular e na Livraria, fiquei encarregada de passar os informes ao nosso professor, Luís Alberto de Abreu, impossibilitado, na época, de acompanhar os trabalhos. Foram muitos e-mails trocados, dúvidas esclarecidas, coordenadas e orientações. Depois de um bom tempo de correspondência uma frase:

_ Vai ter reunião sábado no Alpharrabio. Se você for eu vou.

Como assim? O que esse moço está querendo dizer com isso? Será que está falando com a pessoa certa?
Não respondi o e-mail. Fingi não ter recebido. Me chamou de mal educada.

_ Vai ter reunião sábado no Alpharrabio. Se você for eu vou.

Não fui, era feriado comprido. Fui pra Indaiatuba, à chácara de uma amiga. Mas as duas frases martelaram por quatro dias a minha cabeça.
Por que alguém me convidaria pra uma reunião no Alpha? Logo eu? Só gente importante, sabida, cheia de coisa pra falar! Deve ter alguma coisa por trás disso, intuí. E acertei.
Desde então, sempre que ele me convida, eu vou!

A gente só leva pro Alpha quem a gente gosta. A gente convida, convoca, traz pela mão. E ali dentro coisas acontecem.
Deve ser o aconchego do espaço, o carisma da anfitriã e os braços abertos de sua família.
E eu intuo que isso vai durar, pelo menos, mais uns vinte anos!

Alpha20anosAdelia
(ela aceitou e foi… Adélia e Luís Alberto, abril 1999) Foto: Luzia Maninha, Acervo ABCs Núcleo Alpharrabio de Referência e Memória

About Dalila

Dalila Teles Veras, escritora, proprietária da Alpharrabio Livraria e Editora
This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

One Response to Alpharrabio 20 anos – O Alpha pelos alphas IX

  1. Adélia Nicolete says:

    Nossa! Como éramos jovens! Nesta foto alguns afetos: Abreu, Dalila, Marcos Lemes e Takara. Bom saber que os sentimentos todos se intensificaram com o tempo. Isso dá um conforto na gente… Parabens e obrigada, Alpha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>