Sábados PerVersos – a poesia em questão IV e V

Sabadomarco15 1
(arquivo Lenir Viscovini)

Registramos aqui os últimos dois encontros de Sábados PerVersos (o IV e o V) ocorridos na Livraria Alpharrabio, em 28 de março e 25 de abril.
Sobre o encontro de março, este texto de Deise Assumpção:

Março, dia 28, último sábado do mês, beirando a Santa Semana da Paixão e os aleluias da Páscoa. Mais um Sábado PerVerso – a poesia em questão. Os persistentes apreciadores da poesia novamente na távola nem tão redonda do Alpharrabio. Desta feita, o calor e o mormaço recolheram-na ao grande salão, e a coordenação esteve a cargo de Márcia Plana, professora e poeta, que desafiou nossa sensibilidade com dois poemas.

Diante de Rios sem discurso de João Cabral de Melo Neto e de Alegria (poema-imagem de Arnaldo Antunes), o grupo vibrava a cada descoberta de sentido embaralhado nas formas visuais, rítmicas, sonoras, gramaticais… Leitura metalingüística, social, humana, filosófica (e tantas outras) das inúmeras insinuações que Cabral vai largando como que sem querer em seu discurso-rio. Tateamos, pelos pedaços de água do rio cortado, buscando reatar linguagem e mundo. Linguagem e mundo em uníssono reverberados na Alegria (Aleluias) de Antunes a girar sentidos que se fazem e desfazem, ou, desfazendo-se, fazem-se. A palavra única de Arnaldo Antunes, em quase situação dicionária, reata, pelo movimento e pelo deslocamento gráfico, a sintaxe desse rio.

04   SabadoPerverso02 1

Já no último 25 de abril, o encontro (o V) foi coordenado pela poeta Conceição Bastos, que iniciou dizendo, de memória e de maneira emocionada, o poema de Manuel Bandeira, Evocação do Recife

A seguir desafiou todos os participantes a relatarem um episódio de sua infância e finalizou com a audição de um CD com o próprio Bandeira dizendo o mesmo poema. Momento, sobretudo, bastante fraterno que propiciou travar conhecimento com o material humano da memória de cada um dos presentes. A poesia lida, a poesia dita, a poesia ouvida, a poesia como matéria de memória.

Como não houve tempo de concluir o exercício proposto pela coordenadora, ou seja, um poema a partir dessas evocações, foi sugerida uma lição de casa: escrever um poema sobre o episódio narrado (o próprio ou o alheio). Traga o seu também, mesmo que não tenha comparecido ao encontro, que será realizado, como os demais, no último sábado do mês, dia 30 de maio, portanto. (dtv)

04   SabadoPerverso06

About Dalila

Dalila Teles Veras, escritora, proprietária da Alpharrabio Livraria e Editora
This entry was posted in Programação Alpharrabio, Sem categoria. Bookmark the permalink.

One Response to Sábados PerVersos – a poesia em questão IV e V

  1. Adélia Nicolete says:

    Esses sábados tão concorridos! Ao menos consigo saber o que se passa na távola do Alpha. Saber e sentir uma ponta de inveja dessas vivências. Mas dia desses faço a poesia ganhar a concorrência e apareço por lá para uma per-versão. Um abraço a tod@s!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>