Sábados PerVersos XVIII – Herberto Helder por Diogo Cardoso

08  SPerversos270816 1

O XVIII Encontro de Sábados PerVersos foi coordenado por Diogo Cardoso, poeta que estreia em livro com “Sem lugar a voz” (Dobra Editorial, 2016)

08  SPerversos270816 4

Relato do encontro, pelo próprio Diogo:

Sobre minha abordagem, parti do ponto de vista não de um especialista, mas de leitor e de alguém que escreve. Procurei nas obras de Herberto possíveis procedimentos que podiam ser aproveitados por outros poetas – daí a considerar Herberto como inventor, segundo tipologia de Ezra Pound.

Para isso, li poemas em que o poeta faz releituras de outros poetas ou obras. Utilizei os textos Tríptico I, em que glosa Camões em seu Transforma-se o amador na coisa amada; Nesse mesmo plano, utilizei o poema “Máquina de emaranhar paisagens” em que o poeta funde textos vários e os transforma. Metamorfose.

Depois abordei as antologias. Tal como Jerome Rothenberg, poeta norte americano, Herberto também fez antologias em que mesclava poetas modernos e cantos de diversas etnias. Desta li um poema dos Índios Comanches, feito apenas de fonemas não semantizados, e dos Dincas, do Sudão. Ambos estão no livro “As magias”.

Em seguida, li ‘As musas cegas” e a “Elegia múltipla” para fazer a ponte com “Elegia cega” do Rafael Gombez, no seu livro “Aonde o corpo se põe” (Patuá, 2015).

Os poemas que citei acima encontram-se no livro “Poesia toda”.

08  SPerversos270816 2

08  SPerversos270816 3

08  SPerversos270816 5

08  SPerversos270816 6

Registro fotográfico por Luzia Maninha

About Dalila

Dalila Teles Veras, escritora, proprietária da Alpharrabio Livraria e Editora
This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>